As geadas ocorridas no mês de julho de 2021 afetaram grande parte dos produtores da região centro-sul do país. Estas regiões já sofriam por fatores climáticos, pois enfrentaram neste ano uma seca prolongada que assolou as culturas e causou uma queda drástica nas produções.

A união da seca e, na sequência, duas grandes massas de ar polar com intensa geada trouxeram prejuízos bilionários para o campo (METSUL, 2021), pois as culturas já enfrentavam um longo estresse hídrico e não tiveram condições fisiológicas suficientes para enfrentar e reagir às geadas.

Os danos pela geada são causados pela ruptura das células dos tecidos que foram afetados, sendo que essa ruptura ocorre como consequência do congelamento do suco celular. Os danos variam conforme a intensidade da geada, as condições ambientais após a geada e o comportamento das variedades cultivadas.

A intensidade da geada depende do tempo que a temperatura permanece abaixo de zero. A partir daí, podemos ter injúrias simples, que vão desde uma simples queima de folha, até injúrias drásticas, que levam à morte da gema apical, das gemas laterais superiores e, até mesmo a morte de todas as gemas laterais (ASSOVALE, 2021).

Dentre todos os prejuízos causados aos mais diversos produtores e culturas podemos citar aqueles que produzem cana-de-açúcar, milho segunda safra, feijão, café e tantas outras. Estas culturas têm suas produções concentradas nas regiões afetadas pela geada e, por isso, o alto prejuízo em decorrência deste evento climático.

Tratando-se da produção de café, o Sul de Minas Gerais foi a região mais atingida pela geada no período citado, onde os prejuízos são descritos como os piores em 27 anos, desde a grande onda de frio de julho de 1994 (METSUL, 2021). A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) estima que até 30% da área total pode ter sofrido danos com a ocorrência da geada e destes, com 70% da cultura toda queimada.

“São danos que podem comprometer não apenas a safra do próximo ano mas, como muitas lavouras eram novas, também podem influenciar as produções de 2023 e 2024”, avaliou a o pesquisador da Epamig César Botelho.

As imagens abaixo ilustram parte dos danos causados a esta lavoura.

Na cana-de-açúcar, assim como no café, os danos também variam conforme as condições climáticas locais e cultivares utilizadas. Tem-se que para esta cultura, o estado de São Paulo produza sozinho próximo de 60% de toda a cana-de-açúcar e etanol do país (CANA NOVA, 2018).

Apesar de benéfico para a economia paulista, esta concentração da produção causou grande prejuízo ao setor, pois, o estado foi quase que totalmente acometido pelas geadas deste ano afetando fortemente sua produção. O mapa abaixo representa uma estimativa das temperaturas mínimas em São Paulo no fim do mês de julho de 2021.

É possível observar que quase todo o estado sofreu com temperaturas inferiores a 6°C, excluindo apenas algumas áreas isoladas. Esta situação contribuiu para a formação de geadas que afetaram fortemente as lavouras.

Os agricultores sabem que os prejuízos deixados são imensos, mas como mensurá-los para identificar as áreas mais afetadas?

Uma das opções é por meio das análises de índices vegetativos, como RGB e NDVI (Índice de Vegetação por Diferença Normalizada), ferramentas que a InCeres disponibiliza para seus clientes.

Um meio prático de entender os resultados do índice RGB é por meio da correlação com as cores obtidas após processamento, sendo que, quanto mais verde, maior formação de biomassa e quanto mais vermelho, maior a  interferência do solo, ou seja, baixo desenvolvimento vegetativo.

Apresentamos um caso onde foi possível realizar um levantamento dos danos causados pelas últimas geadas numa área de cana-de-açúcar no estado de São Paulo.

A figura abaixo representa o índice RGB desta área calculado no dia 21 de fevereiro de 2021, ou seja, em pleno desenvolvimento vegetativo e antes da ocorrência das geadas. Na imagem é possível observar bom desenvolvimento da cultura, pois a área está com alta proporção de verde.

Nesta mesma área foi realizado o processamento do mesmo índice RGB com dados de 16 de julho de 2021, ou seja, logo após o acontecimento das geadas no local, o resultado obtido é apresentado abaixo.

É possível observar o quão devastadora foi a geada para a cana-de-açúcar neste talhão. Todo o índice que era verde passa a ser identificado com tons de roxo, o que indica a morte do meristema apical e, consequente, morte da cultura.

Outro dado passível de ser analisado, como já citado, é o NDVI. De maneira prática, o NDVI  mede a quantidade de reflectância das folhas portanto, quanto mais verde a folha, maior sua reflectância e, através disso, é possível analisar alguns parâmetros como nutrição de plantas (em especial pra o Nitrogênio), sanidade de plantas, déficits hídricos, entre outros.

Na mesma área apresentada anteriormente, foi realizado o processamento deste índice nas duas datas citadas, 21de fevereiro de 2021 e 16 de julho de 2021, respectivamente. Os resultados obtidos são apresentados nas figuras abaixo:

Figura 1
Figura 2

Atentando-se aos resultados da legenda, observamos na figura 1 que a área apresentava um índice NDVI médio de 69,75 antes da geada e esse valor cai a 19,48 na figura 2, que representa a área após a geada. Esta queda drástica reflete a morte das partes verdes da cultura e a grande devastação no local.

Estes resultados comprovam o grande prejuízo causado à lavoura e essas informações devem ser levadas em conta no momento da tomada de decisão. Nesse caso é possível dizer que não há alternativa, a não ser realizar a colheita imediata no canavial.

Com as soluções da InCeres você tem acesso a ferramentas que podem ajudá-lo a tomar decisões estratégicas para sua lavoura, mesmo em circunstâncias extremas ou desfavoráveis.