Como a crise dos fertilizantes afeta os produtores brasileiros e como a InCeres pode te ajudar neste contexto

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia tem afetado o mundo em diversos aspectos. Nesse contexto, é importante lembrar que o agronegócio brasileiro é dependente dos fertilizantes russos. Dessa forma, com as sanções econômicas impostas ao país presidido por Vladimir Putin, surge a chamada crise dos fertilizantes que afeta a nossa produção. 

A Rússia é um dos principais exportadores de fertilizantes do planeta. Além do Brasil, o país europeu é o principal fornecedor do material para diversos países do mundo. Inclusive, esse é um dos motivos que explica a neutralidade do governo brasileira em relação ao conflito contra a Ucrânia.

Na verdade, a crise de fertilizantes já era uma realidade antes do início da guerra e apenas se intensificou após o início das invasões. Então, como essa crise funciona? E quais são as consequências desse problema na prática? Essas são algumas das perguntas que serão respondidas pela Inceres no texto de hoje. 

Dessa forma, se você quer saber as respostas que elucidarão suas dúvidas sobre o tema, continue esta leitura! 

Os detalhes da crise dos fertilizantes

Atualmente o Brasil é o quinto maior consumidor de fertilizantes do mundo. Entretanto, a produção interna não dá conta de suprir essa necessidade. Logo, surge a necessidade de exportar fertilizantes do exterior e a Rússia surge como peça-chave neste processo.

A crise dos fertilizantes que se intensificou com a guerra entre a Rússia e a Ucrânia já está acontecendo há algum tempo. Na verdade, o problema começou quando a China – outra grande produtora de fertilizantes – proibiu as exportações do produto para o mundo. 

Com a guerra, o gás natural – um dos principais pilares da economia russa e parte importante dos entraves do país com a OTAN  – teve o preço elevado. Mas, como isso afeta o preço dos fertilizantes? Isso acontece porque o insumo é utilizado na produção de fertilizantes nitrogenados, que são os mais utilizados pela agricultura mundial.

Além disso, todos os produtos exportados pela Rússia tiveram seus preços inflacionados durante o conflito. Esse é um cenário comum no contexto de guerra. O preço dos alimentos exportados pela Rússia, como o trigo, por exemplo, aumentaram cerca de 20% nesse período.

Outro problema é que as sanções ocidentais contra a Rússia interromperam os embarques dos fertilizantes pelo mundo. Ou seja, além de estarem mais caros, os fertilizantes tiveram sua distribuição paralisada. 

Os fertilizantes ficaram mais caros e mais escassos e isso, sem dúvida, afeta os produtores brasileiros. A médio prazo, quando novos insumos precisarem ser adquiridos, os agricultores sentirão no bolso essa nova realidade.

As consequências da crise dos fertilizantes

Com isso, os produtores brasileiros enfrentarão algumas consequências. A crise dos fertilizantes farão com que os produtores repensem o tamanho da produção e a gestão dos gastos da fazenda.

No Brasil, o milho e a soja foram os grãos mais impactados pela crise. A crise chegou a um ponto tão crítico, que alguns produtores pensaram em mudar suas plantações para culturas que exigem menos nutrientes. 

Grãos de soja.
As plantações de soja foram uma das mais afetadas pela crise.

De forma geral, talvez seja necessário pensar em formas de viabilizar a produção utilizando menos fertilizantes. É claro que este não é um cenário ideal para os agricultores, mas pode ser uma possível solução para continuar produzindo durante a crise. 

Ampliando as perspectivas, podemos dizer que a escassez de alimentos também é uma possibilidade. Entretanto, isso só se tornaria real caso a guerra se prolongue por mais tempo e a Rússia não estabilize os preços de suas exportações.

De forma geral, este não é um problema que afeta apenas os produtores. Toda uma cadeia de consumo e distribuição sofre as consequências da crise dos fertilizantes. No fim, toda a população vai sofrer no bolso o impacto econômico desse aumento.

As possíveis saídas para a crise dos fertilizantes

Uma possível saída para a crise de fertilizantes que está sendo bastante discutida nos últimos meses, é a criação de um Plano Nacional de Fertilizantes. Este plano tem o objetivo de que o Brasil reduza pelo menos 50% sua dependência de fertilizantes importados.

A crise atual despertou nos especialistas a necessidade e a importância do Brasil traçar um planejamento estratégico para os fertilizantes. Os responsáveis pelos grupos de trabalho que estão elaborando essa proposta, irão reunir em breve diversos especialistas para discutir o assunto. 

Contudo, é claro que esse não é plano para curto prazo. Entretanto, os debates sobre a ideia são importantes para que, no futuro, o Brasil evite problemas como o que está acontecendo. 

A curto prazo, a saída para aliviar os efeitos da crise é diminuir o uso dos fertilizantes, evitar os desperdícios e contar com as soluções da InCeres: o melhor software para agricultura do Brasil. 

InCeres: software inteligente que reduz os danos da crise dos fertilizantes

Uma forma de otimizar processos e reduzir os danos durante a crise de fertilizantes, é contar com a ajuda da inteligência agronômica e artificial oferecida pela InCeres, juntamente com ferramentas de planejamento e controle (Business Intelligence – BI). Isso porque oferecemos soluções que ajudam a alcançar uma maior produtividade com o uso otimizado dos fertilizantes, de acordo com a disponibilidade de insumos e a rentabilidade desejada.

Mão segurando terra.
A análise de solo, oferecida pela InCeres, é uma das alternativas para otimizar a utilização de fertilizantes.

Criada em 2015, a tecnologia InCeres é resultado de anos de experiência agronômica e de desenvolvimento de software para gerar aumento da produtividade e uso eficiente dos insumos no campo.

Como já dissemos, os produtores estão cogitando reduzir a área plantada, usar menos fertilizantes e até mesmo mudar de cultura durante a crise. Nesse contexto, o sistema da InCeres permite identificar onde e quanto reduzir o consumo de fertilizantes e também mapear quais as áreas com menor potencial produtivo para não plantar na próxima safra ou reduzir a produtividade esperada. 

Além disso, as soluções da InCeres:

  • Ajudam a entender quais os nutrientes estão presentes no solo, distribuição espacial e teores disponíveis;
  • Avalia a diferença entre a necessidade de nutrientes da planta e a disponibilidade destes no solo, recomendando a quantidade de fertilizantes que devem ser utilizados;
  • Gera um mapa de aplicação que são usados pelas máquinas agrícolas nas operações de correção do solo, plantio (por exemplo, com taxa variada de sementes), coberturas e pulverizações. 

Mapa gerado pelo software da InCeres.
Mapa gerado pelo software da InCeres.

Agora que você já sabe como a InCeres pode te ajudar neste contexto da crise dos fertilizantes, você pode entrar em contato conosco para conhecer melhor as nossas soluções e receber uma proposta personalizada que vai te ajudar neste desafio! 

A atenção especial que deve ser dada ao Fósforo (P) na nutrição do solo

Os solos brasileiros são antigos e sofreram muitas transformações no decorrer do tempo devido ao clima tropical em que se encontram. Esses solos tendem a ser mais ácidos e apresentarem uma baixa fertilidade, o que traz ao produtor rural a necessidade da construção da fertilidade de seu solo. Nesse contexto, o fósforo (P) é um nutriente que necessita de atenção especial.

Devido à alta acidez do meio, na maioria das vezes, o P se encontra fixado no solo, resultando em uma menor disponibilidade desse nutriente para a absorção pelas plantas. Em outras palavras: os solos brasileiros no geral são deficientes em fósforo, o que limita a produção agrícola.

Essa limitação ocorre pois o P desempenha funções muito importantes no metabolismo das plantas, como a geração de energia (e por isso está relacionado a todos os processos que envolvem gasto energético), produção de proteínas, estrutura do material genético, dentre outras, que evidenciam seu papel como macronutriente.

Por isso, a adubação fosfatada é uma grande aliada do produtor, seja qual for a cultura. A fosfatagem, por exemplo, é uma prática corretiva realizada em pré-plantio que visa a aplicação de altas doses de fertilizantes fosfatados para que uma maior concentração de P fique disponível na solução do solo, melhorando a nutrição das lavouras.

Para a correção do teor de P no solo, a análise química é muito importante, pois ela que apontará quanto de P o solo possui e o quanto ele ainda necessita para alcançar uma fertilidade adequada. Sendo assim, a interpretação da análise de solo é a principal ferramenta na tomada de decisão do produtor rural em relação a adubação fosfatada, o que interfere diretamente na aquisição e aplicação de fertilizantes, e principalmente nomanejo da área da propriedade rural.

Com a plataforma InCeres a análise dos dados de fertilidade estão ao alcance do produtor: Com a inserção da análise de solo na plataforma é feita a interpretação dos teores de P na área, dando suporte ao produtor para que ele realize o manejo mais adequado para as necessidades de seu solo, possibilitando uma boa nutrição das plantas e o alcance das produtividades esperadas, na medida  certa sem exagero ou deficiência.

Para se alcançar bons resultados é imprescindível fazer a adubação nitrogenada.

O nitrogênio é o nutriente que mais limita o crescimento das plantas, pois participa de importantes processos no metabolismo vegetal, como na fotossíntese, na síntese de aminoácidos e proteínas e na transferência de energia.
Por isso, a adubação nitrogenada é imprescindível para se alcançar bons resultados em uma lavoura.
A recomendação desse nutriente para a nutrição de culturas agrícolas é feita com base nos boletins de adubação, principalmente. Isso se deve ao fato de que a análise de nitrogênio do solo não é um processo feito comumente devido às suas várias limitações.
Para alcançar resultados mais precisos na aplicação de nitrogênio, na maioria das vezes, o produtor deve optar por aplicar maiores taxas de fertilizantes nitrogenados em áreas mais responsivas, visando a elevação da produtividade e a economia de seus recursos que levarão a uma maior sustentabilidade do sistema.
Por outro lado, o uso excessivo desses produtos podem causar sérios impactos ambientais devido a lixiviação do N no perfil do solo, podendo ocasionar contaminação de lençóis freáticos, e também a volatilização de N na forma de amônia, contaminando a atmosfera.

Com uma recomendação de adubação adequada é possível minimizar o impacto ambiental, economizar recursos do produtor, aumentar a produtividade e consequentemente maximizar os lucros da propriedade.

A tecnologia surge como uma grande aliada do produtor nesse ponto. Ferramentas como o Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) podem ser utilizadas para se realizar uma recomendação assertiva e em áreas de maior resposta a esses fertilizantes.

Com a InCeres essas tecnologias estão a um clique do produtor rural.
A plataforma InCeres possui ferramentas que auxiliam o produtor na tomada de decisão sobre cada um dos talhões da propriedade, além de fornecer a recomendação de adubação nitrogenada de acordo com as necessidades da planta, aumentando a eficiência do uso de fertilizantes e fornecendo soluções necessárias ao produtor rural.

Tratos culturais em cana-soca, como o uso de dados pode levar ao aumento da produtividade e da lucratividade.

É muito importante fazer o ajuste correto da nutrição para que a planta se desenvolva e, por conseqüência, fique bem nutrida e entregue ao agricultor o que se espera: produtividade.

No caso da cana-soca a adubação para a próxima safra é realizada logo após a colheita. Nesse momento (em alguma situações) são feitas algumas operações de correção do solo como calagem e gessagem (reposição de Cálcio, Magnésio e Enxofre, correção da acidez do solo e redução da atividade do alumínio em profundidade), atividades que buscam restabelecer o potencial produtivo do solo. Existem também nutrientes, como o nitrogênio e o potássio, que não se acumulam no solo e por isso a cada ciclo devem ser repostos de acordo com a expectativa de produtividade.

A reposição de nutrientes é fundamental já que quanto mais se é produzido, mais se é retirado e, portanto, mais se torna necessário colocar de volta. Essa é uma conta de equilíbrio. E ao elevar os níveis nutricionais do solo haverá uma maior capacidade desse solo sustentar uma expectativa de alta produção.
Aqui existe uma questão fundamental: se for colocado de volta no solo mais nutriente do que o que foi extraído, estaremos jogando dinheiro fora por não haver necessidade de tamanha quantidade. Por outro lado, se for colocado menos nutriente do que o necessário, estaremos sacrificando a cultura, pois ela não terá condição suficiente para expressar todo o seu potencial produtivo, ou seja eu também perdemos dinheiro.

A recomendação para cana-soca é muito sensível, pois poderá haver perdas tanto se pender para um lado quanto para o outro, seja por estar limitando a produtividade, seja por estar gastando demais onde não é necessário.

Como fazer uma recomendação que não leve a prejuízos?

A InCeres tem soluções que utilizam imagem de satélite e oferecem dados que possibilitam identificar os locais no talhão onde há maior e menor produção de cana. Com essa identificação é possível fazer adubação e reposição de nutrientes com base exatamente no que será produzido e na reposição do que foi retirado.

Por meio de imagens de antes da colheita, é possível fazer um mapeamento e verificar a situação de uma cana-soca. Pode-se identificar áreas onde a planta extrai os nutrientes de maneira diferente dentro do mesmo talhão. Em áreas mais produtivas a planta está extraindo mais e em áreas menos produtivas, a planta está extraindo menos.

Desta forma é possível recomendar a colocação de nutrientes de forma diferente dentro do mesmo talhão.

Além disso, com a imagem de satélite, mais o conhecimento da área e da quantidade produzida nos anos anteriores, é possível criar um mapa de produtividade estimada, ou seja, pode-se fazer uma estimativa de quanta cana será produzida na próxima safra.

Um exemplo para ilustrar:

Se for esperada uma colheita de 120 a 127 toneladas por hectare, é necessário que se coloque nutrientes em quantidade suficiente para ter possibilidade de alcançar essa produtividade. Então, por meio das imagens de satélite pode-se identificar as manchas na plantação e saber onde existe a necessidade de se investir mais ou menos.

Com esse tipo de estratégia é possível sustentar uma produtividade que pode chegar a ser 70% maior do que a média da produtividade sem seu uso. Além disso, sem esse tipo de abordagem é mais difícil sustentar altas taxas de produtividade.

Ainda a partir do mapa de produtividade, pode-se calcular a necessidade de nitrogênio em taxa variada, usando de 70% da dose em primeira aplicação e 30% da dose recomendada em uma segunda aplicação o mais tarde possível, porém, ainda enquanto as máquinas podem entrar no talhão sem quebrar a cana. O potássio pode seguir a mesma estratégia, prestando atenção também nos teores de argila do solo.

Precisa de ajuda para as recomendações? Além das soluções específicas para cada necessidade, a InCeres ainda tem uma biblioteca que conta com diversos materiais e artigos para orientação de recomendação e estratégia para cana- soca.

Com a estratégia correta, é possível ficar muito mais perto de alcançar altas taxas de produtividade sem desperdício de recursos.

InCeres é uma das 26 startups brasileiras do setor agroalimentar mais relevantes da América Latina

Mais de mil startups do setor foram consideradas em toda a região e apenas 78 foram selecionadas, segundo report do fundo chileno Arpegio.

Somente em setembro deste ano, mais de US $ 400 milhões foram investidos em três startups agrícolas e de tecnologia de alimentos na América Latina.
Em todo o ano de 2019 foram investidos US $ 200 milhões em tecnologia agroalimentar na região, ou seja, em um único mês o investimento do ano passado inteiro foi dobrado.
Esse aumento no investimento foi acompanhado por um crescimento impressionante no número de negócios e para ajudar a entender este mercado em desenvolvimento, o fundo chileno Arpegio lançou o Mapa de Mercado LatAm Agrifoodtech: um panorama visual de alto nível do ecossistema de startups agroalimentar latino-americano.
Mais de mil startups foram consideradas em toda a América Latina e destas, apenas 78 foram selecionadas.
Os critérios de seleção foram baseados em sucesso de crescimento, capital total levantado de investidores profissionais e reconhecimento dos principais participantes do setor. Não foram incluídas empresas listadas publicamente.
O mapa abrange toda a cadeia de valor, desde os insumos agrícolas até as soluções voltadas para o consumidor, deixando de fora apenas verticais relacionadas a animais.
O país mais representado é o Brasil com 26 startups, seguido pela Argentina (18); Chile (15); México (8); Colômbia (6); Peru (2); e um da Costa Rica, El Salvador e Uruguai.
Fonte: arpegio.vc

InCeres escolhida pela OCP Group, para o Intensive Connection da AgTech Garage!

InCeres conquista mais um lugar de destaque

InCeres é selecionada para fazer parte do Intensive Connection. Estavam na disputa vinte startups e somente duas foram escolhidas.
A InCeres foi selecionada para participar do programa de aceleração Intensive Connection que investe no apoio à startups promissoras. Lançado no Brasil há um ano, trata-se de uma iniciativa do Grupo OCP para construção de soluções inovadoras que moldarão o futuro da agricultura.

Das vinte participantes, apenas duas foram selecionadas e, segundo o site do Grupo OCP, a InCeres é uma das escolhidas por ser uma plataforma agrícola digital capaz de coletar, processar e armazenar dados agrícolas, com ênfase na fertilidade e nutrição de plantas.
O programa de aceleração tem como alvo as soluções mais inovadoras, focadas em tecnologias de fertilidade do solo, nutrição de plantas e geração de informações qualificadas para desenvolver as soluções de fertilização do futuro.
O programa de aceleração, que se estende por mais de quatro meses, realiza discussões estreitas entre a OCP e os empreendedores selecionados, que se beneficiam de sessões regulares de orientação com especialistas do Grupo, além de terem à disposição recursos de seu ecossistema em várias unidades e em fazendas experimentais.
“Participar de um programa tão importante e significativo como este, com toda certeza será de grande valor para os nossos clientes e para toda a equipe da InCeres” comemora Leonardo Menegatti, CEO da InCeres.
Nesta edição, a seleção das participantes e a deliberação foram realizadas on-line por meio de ferramentas de videoconferência que reuniram colaboradores do Grupo OCP no Brasil, Marrocos e Estados Unidos.

Sobre o Grupo OCP

O Grupo OCP, com sede no Marrocos, é um dos maiores produtores de fertilizantes do mundo e líder global de produtos fosfatados. Atua no mercado internacional desde a sua criação, em 1920 e está presente nos 5 continentes.
A OCP é o maior fornecedor de fósforo do Brasil, com 40% de participação nas importações brasileiras. Está no País desde 2010 e tem filiais no Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Bahia, além de dois escritórios na capital paulista.
Para saber mais acesse (https://www.ocpgroup.ma/pt-pt/brazil-two-agtech-garage-start-ups-supported-ocp)

As vantagens do uso da tecnologia no Agronegócio

A tecnologia tem como finalidade agregar praticidade e facilitar a execução de tarefas, sobretudo na agricultura. Com as últimas transformações, por exemplo, novos sistemas de gerenciamento foram desenvolvidos, para lidar com a competitividade do setor. Atualmente, os produtores rurais, consultores agrícolas e diretores de companhias agro precisam se especializar e conhecer as novas demandas tecnológicas que atuam no agronegócio.

Neste sentido, a agricultura de precisão vem ganhando espaço no mercado, sendo considerado um sistema com o objetivo de reduzir os custos e aumentar a produtividade por meio de tecnologias que envolvem tratores, GPSs, controladores de aplicação e análises de solo dentre outros.

Tudo isso é utilizado com um mesmo propósito: compreender a variabilidade do solo, seus níveis nutricionais e as necessidades que devem ser corrigidas. Quanto mais ferramentas, mais informações. Quanto mais informações, um resultado mais efetivo.

Desta forma, este tipo de agricultura visa gerir o campo de produção de maneira exata, a fim de aplicar os insumos e os recursos no local adequado para a produção, evitando desperdício e aumentando a produtividade no setor. Assim, a agricultura de precisão tem como finalidade otimizar os sistemas que são usados na agricultura com enfoque no manejo das diferenças produtivas e também dos fatores que envolvem o processo, incluindo as variabilidades, que podem causar diferença na produção.

A agricultura de precisão possibilita um conhecimento amplo para a produção, o que vai facilitar a tomada de decisão durante o processo pelo produtor. Além disso, este sistema contribui de forma positiva porque passamos a tratar de maneira diferente coisas que são efetivamente diferentes, tratando da variabilidade. Dessa maneira, é possível ter um aumento global na produtividade.

Também é papel da agricultura de precisão atender as diferenças no campo, tratando com mais insumos áreas de maior produção, fazendo com que essas áreas produzam mais ainda e, por outro lado, reduzir adubação em áreas de pouco potencial produtivo.

O sistema também tem outras vantagens como a maior capacidade e flexibilidade para a distribuição dos insumos durante o processo, aplicação localizada para sustentar a produtividade, contribuindo para o meio ambiente.

Por meio da agricultura de precisão, há redução de custos no processo, diminuição do grave problema do risco da atividade agrícola, controle do risco da situação pelo uso da informação, maior produtividade na lavora, mais tempo livre para o agricultor, além de melhoria do meio ambiente pelo menor uso de defensivos.

Desta forma, as novas tecnologias e os sistemas de gerenciamento têm apresentado resultados eficientes e efetivos para o agronegócio, contribuindo para a lucratividade e evitando desperdícios na produção.

No blog da InCeres você encontra vários artigos sobre Agricultura de Precisão, suas principais funcionalidades e soluções, bem como entende mais sobre como a InCeres é a melhor opção para o manejo da fertilidade do solo e o processamento de dados coletados.

Só a InCeres é capaz de gerar os melhores resultados em geração de mapas de fertilidade, mapas avançados para recomendação, mapas de produtividade mais completos e integração total com as aplicadoras, entregando para você a solução completa em Agricultura de Precisão.

Acompanhe nossos artigos, faça download de nossos conteúdos especiais no canto direito da tela e acompanhe também nossos webinares. É a InCeres em um compromisso firme de desenvolver a agricultura brasileira lado-a-lado com a tecnologia e lado-a-lado com você.